De onde vem a radiação

André Santiago
Por André Santiago Diretor de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da LinceRadio Publicado em Atualizado em

De onde vem a radiação?

A visão geral é que a radiação só está no contato direto com elementos brilhantes e altamente tóxicos. No entanto é sempre bom lembrar que…

a radiação não tem som, cor ou cheiro.

Os materiais radioativos e a sua decorrente radioatividade produzida existem no espaço sideral desde a origem do universo.

Vários elementos radioativos fizeram parte da formação do planeta Terra e estão aqui até hoje.

Começamos a usar alguns desses elementos a partir do séc. XIX e não paramos até hoje. Sempre aprendendo e desenvolvendo ainda mais as suas potencialidades, mas nunca esquecendo dos seus perigos e cuidados necessários.

Quadro com quantidades de radiação

Existem diversos tipos de radiação, algumas são inofensivas e outras facilmente bloqueadas.

Quando falamos em radiação é importante levar em conta o tempo de exposição ao material radioativo por contaminação ou irradiação. Contudo, temos que levar em consideração que estamos diariamente expostos à radiação proveniente das mais diversas fontes.

Todas as espécies da Terra têm existido e evoluído em ambientes nos quais têm sido expostos à radiação natural. Desde o século passado os humanos e outros organismos vivos têm sido também expostos a fontes artificiais desenvolvidas pelo próprio homem.

80% da exposição à radiação é proveniente de fontes naturais e apenas 20% de fontes artificiais feitas pelo ser humano, principalmente de aplicações da radiação na medicina.

A exposição à radiação pode ser classificada em razão de suas fontes, com foco no que a população em geral recebe.

As normativas em torno da radioproteção preveem que a exposição à radiação deve ser encarada por diferentes grupos. Por esta razão é que se tornou obrigatório o fornecimento de informações adicionais a pacientes – os quais são expostos devido ao uso médico da radiação – e sobre pessoas expostas em seus locais de trabalho.

Outra maneira de classificar a exposição à radiação é verificar de que modo ela nos irradia. Substâncias radioativas e a própria radiação presentes em determinado ambiente podem irradiar ao nosso corpo de fora – externamente.

Ou nós podemos inalar substâncias presentes no ar, ingerir na comida ou na água ou, ainda, absorver através da pele ou por ferimentos, sendo irradiados por dentro – internamente.

De modo global, doses de exposições internas e externas são tratadas quase da mesma forma.

Radiação de Fontes Naturais

As fontes naturais de radiação levam em consideração que desde o surgimento do nosso planeta, o meio ambiente tem sido exposto à radiação cósmica, proveniente tanto do espaço quanto de materiais radioativos presentes na crosta e núcleo terrestre.

Não há maneira de evitar a exposição às fontes naturais, o que de fato causa a maior parte da exposição à radiação da população mundial.

A dose efetiva média anual global por pessoa é de cerca de 2,4 mSv, e varia em cerca de 1 mSv a mais de 10 mSv, dependendo do local onde as pessoas vivam. Se você mora no nível do mar você terá uma exposição diferente de radiação de quem mora em regiões mais elevadas.

Apesar da incidência das fontes naturais, nossa exposição pode ser modificada pelas escolhas que fazemos, como vivemos e onde moramos, ou o que comemos e bebemos.

Os edifícios, por exemplo, podem apresentar um gás radioativo específico, chamado Radônio, ou os materiais que compõem o edifício podem conter radionuclídeos que aumentem a exposição à radiação.

Ilustração Radônio em construções

Os raios cósmicos são a maior fonte natural de exposição externa à radiação. A maioria desses raios tem origem no mais profundo espaço interestelar; alguns são liberados pelo sol durante as erupções solares. Esses irradiam a Terra diretamente e interagem com a atmosfera, produzindo diferentes tipos de radiação e de materiais radioativos.

Agora tratando-se de fontes artificiais de radiação, temos que as principais origens estão ligadas aos dispositivos de diagnóstico e terapia utilizados na área médica. São os aparelhos de controle, medidores e radiografia usados na indústria e comércio, as instalações do ciclo do combustível nuclear e as máquinas utilizadas na pesquisa científica.

De onde vem a radiação

No Brasil, nas instalações industriais destacam-se irradiadores de grande porte, sendo que grande parte deles é destinado à esterilização e uma minoria à irradiação de componentes para ração animal e de cosméticos.

Ressalta-se também o avanço na área de perfilagem de poços de petróleo onde já constam mais de vinte instalações distribuídas em diferentes regiões do país.

Agora um paralelo entre a radiação por fontes naturais e artificiais é possível.

Usaremos o exemplo das offshores, empresas ligadas ao ramo petrolífero.

Na produção de óleo e gás, tipicamente o conteúdo de água de produção inicial de petróleo e de gás em um reservatório é baixo. Conforme a pressão natural dentro da formação cai, a água presente no reservatório aumenta proporcionalmente a produção. Esta formação de água contém sais minerais dissolvidos contendo naturalmente mais partículas radioativas.

É também uma prática normal desta indústria injetar água do mar tratada dentro do reservatório conforme as reservas de petróleo e gás são recuperadas, com a intenção de elevar a pressão na formação. Esta água do mar injetada pode ser mais salina que a água natural da formação e consequentemente pode dissolver sais radioativos adicionais de minerais presente nos diversos estratos geológicos.

Incustração Norm

Com isso o óleo e gás produzidos são extraídos passando por linhas de produção, filtros, tanques, vasos e demais partes. Fazem com que as partículas radioativas agregadas à água, sais e areia se acumulem nas paredes internas de todas as partes pelas quais circulam(incrustações). Estas incrustações são exemplo de acúmulo de um material chamado de TENORM. O TENORM pode causar graves danos à saúde humana e também ao meio ambiente.

Essas partículas atômicas instáveis estão distribuídas na natureza, acumulando-se conforme as formações rochosas e composição característica de cada ambiente. Esse acúmulo é conhecido como background e compõe o que chamamos de TENORM.

As exposições às radiações provenientes do NORM não sofrem restrições legais, dado que são provenientes da própria natureza. A partir do momento que estes isótopos são, de alguma forma manipulados pelo homem, o material passa a ser denominado TENORM, sendo então regulado pela CNEN(Comissão Nacional de Energia Nuclear). Daí por diante toda exposição às radiações provenientes do TENORM precisam ser monitoradas e controladas.

O TENORM encontrado em petrolíferas é um bom exemplo de materiais radioativos de ocorrência natural.

A maior incidência de materiais radioativos em atividades econômicas ocorre nas indústrias de produção de energia, mineração, tratamento de água e produtos de consumo. No Brasil as principais empresas que devem estar preocupadas com os riscos dos efeitos radioativos são aquelas ligadas ao setores de carvão, óleo e gás. As indústrias que trabalham com Monazita, Óxido de titânio, Zircônio, Mineração de fosfato e produção de ácido fosfórico, Nióbio, Estanho e Cobre também devem estar atentas.
Mas como minimizar os efeitos provocados pela radiação?

A radiação e em especial a radiação ionizante acarretam diversos efeitos biológicos aos indivíduos expostos a ela de acordo com a dose e a forma de resposta. Por isso, a melhor forma de evitar os efeitos estocásticos e determinísticos da radiação ionizante no ambiente de trabalho é através de um Serviço de Radioproteção bem preparado.

Se na sua equipe tem ou se você mesmo é um IOE (Indivíduo Ocupacionalmente Exposto), estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente, considera-se de extrema necessidade. Quando você trabalha em uma indústria que utiliza fontes radioativas em seus processos é necessário que todos os profissionais expostos à radiação tenham a proteção adequada de acordo com as normas da CNEN, órgão responsável pela regulação e fiscalização de tudo que envolve radiação nuclear no país.

Caso sua empresa ache muito dispendioso implementar um Serviço de Radioproteção, também é possível contratar empresas especializadas para cuidar da proteção radiológica.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

FONTES:

Quer contar com a Radioproteção da LinceRadio na sua empresa?

Guia Definitivo de Radioproteção - Banner

Compartilhe

Cadastre-se para receber conteúdo em primeira mão.