Segurança Trabalho – 3 maiores riscos de exposição à radiação na indústria

André Santiago
Por André Santiago Diretor de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da LinceRadio Publicado em Atualizado em

Você trabalha ou conhece alguém que trabalha com mineração ou extração de petróleo em terra firme?

Engenheiros, técnicos de segurança do trabalho, médicos, enfermeiros, mecânicos, supervisores etc.

Todos os profissionais que trabalham na indústria de transformação, como mineração ou exploração de petróleo e gás podem estar correndo risco de irradiação ou contaminação por radiação ionizante devido ao total desconhecimento da situação que vivenciam no ambiente de trabalho.

Se você trabalha com Segurança do Trabalho ou especificamente com Radioproteção, deve ter uma atenção ainda maior aos riscos que iremos apresentar ao longo texto.

Muitos profissionais não têm consciência que podem estar expostos à radiação no seu próprio ambiente de trabalho.

Está surpreso?

Isso é mais comum do que você imagina.

Este artigo foi escrito para te alertar sobre as maiores ameaças que os profissionais que trabalham na indústria estão sofrendo por total desconhecimento sobre o que acontece na mineração e na exploração de petróleo.

Os 3 principais riscos de exposição à radiação na indústria são:

A exploração de petróleo começou pelo onshore e até hoje é o modelo mais comum. Isto se deve ao baixo custo de investimento necessário para sua implantação.

As instalações de exploração de petróleo e gás possibilitam um maior dinamismo ao mercado. Pela menor complexidade, não só as grandes empresas que atuam no offshore, mas também pequenas e médias empresas podem investir nessa atividade econômica.

No Oriente Médio, por exemplo, região que mais extrai petróleo no mundo, o uso de plataformas onshore é predominante.

No Brasil, a extração onshore ainda é pouco abordada pelas empresas do setor. Atualmente, segundo dados da Federação das indústrias do Estado do Rio de Janeiro, existem 192 campos de exploração petrolífera no Brasil, sendo que 20% destes campos pertencem à Petrobras.

75% dos campos de exploração brasileiros estão localizados na região Nordeste e, no ano de 2016, o Brasil produziu cerca de 120 mil barris de petróleo por dia nas plataformas onshore.

Apesar de ainda ser relativamente pequeno, o setor de exploração petrolífera onshore no Brasil tem potencial de crescimento.

Situação oposta à Mineração que tem um largo histórico de atividade nas terras brasileiras. O Brasil é um dos maiores produtores de minério do mundo, tendo campos espalhados por diversos estados da Federação.

No entanto, tratando-se de onshore, tanto a exploração de minério como de petróleo e gás enfrentam as mesmas ameaças em radioproteção.

Os riscos radiológicos enfrentados no onshore estão relacionados ao NORM/TENORM e às fontes radioativas dos instrumentos utilizados na atividade.

Vamos começar pelo NORM/TENORM, risco mais comum do onshore e que tem muita importância para a Segurança do Trabalho e especificamente para a Radioproteção.

1. Riscos de contaminação por NORM/TENORM na indústria

NORM e TENORM são materiais radioativos de ocorrência natural. E eles podem estar aí na indústria em que você trabalha. Fique atento.

NORM é a sigla para Naturally Occurring Radioactive Materials ou, em bom português, materiais radioativos de ocorrência natural. Trata-se de materiais obtidos a partir de núcleos radioativos como são os casos das séries de Urânio-238 e Tório-232.

Enquanto NORM diz respeito aos materiais radioativos que não sofreram nenhum tipo de interação humana, o TENORM se caracteriza exatamente pela ação humana sobre estes materiais.

TENORM são os materiais radioativos de ocorrência natural tecnologicamente concentrados (Technologically Enhanced Naturally Occurring Radioactive Materials). Decorrem do processamento ou manipulação do material NORM de modo que este manuseio potencialize a exposição à radiação ionizante.

Os órgãos brasileiros responsáveis pela normatização e fiscalização de atividades que envolvem materiais radioativos estão atentos em relação à ocorrência desse tipo de material tanto na exploração de minério como de petróleo e gás.

Os riscos são reais. Podem acarretar sérios danos físicos (incluído o óbito) aos funcionários envolvidos e dispendiosos processos civis e trabalhistas para os gestores e encarregados.

Sem falar no risco ambiental que trataremos mais adiante.

Como ocorre a contaminação por NORM/TENORM em plataformas onshore?

A indústria de Óleo e Gás explora suas matérias-primas em regiões caracterizadas pela presença de elementos radioativos de ocorrência natural.

Os processos que envolvem as instalações onshore acumulam materiais radioativos nocivos à saúde em seus sistemas.

Linhas, tanques e vasos acabam formando depósitos e incrustações em suas paredes. E como no onshore, apesar da menor quantidade de instalações, temos um maior volume de produção, os problemas são expandidos.

Sem falar nos gasodutos e oleodutos que apresentam quilômetros de extensão.

A função da Segurança do Trabalho recai sob o acúmulo gerado no decorrer da atividade. A Radioproteção indica uma avaliação das consequências que a exposição à radiação podem acarretar aos trabalhadores envolvidos na manutenção do sistema.

O risco de contaminação radioativa está relacionado aos radionuclídeos concentrados durante o processo de extração, transporte e/ou produção de petróleo e gás. A ocorrência se dá pelo acúmulo de lodo e resíduos de petróleo nos equipamentos de extração, as chamadas incrustações.

As incrustações radioativas reduzem a capacidade de produção da planta, dos sistemas de elevação e escoamento. Exigem paradas programadas para intervenções (limpezas, squeezes, troca de elementos, etc.), com custos normalmente elevados, comprometendo as metas de produção e a eficiência operacional.

As paradas de planta para manutenção são chamadas de shutdowns. É nesse momento que ocorre a maioria das contaminações.

Os profissionais estão expostos a uma grande quantidade de fontes, pois estão fazendo a limpeza de uma material que contém elementos radioativos. Por essa razão é que durante o shutdown as medidas de radioproteção devem ser aplicadas rigorosamente.

Além da exposição à radiação, a contaminação interna (inalação e/ou ingestão) é o maior perigo envolvendo esse procedimento.

Durante a limpeza e manutenção das incrustações, peças são cortadas e poderosos jatos são usados, o que acarreta no lançamento de minúsculos fragmentos contendo material radioativo no ambiente de trabalho.

A contaminação interna por elementos radioativos é uma das mais perigosas. Causa efeitos imediatos aos órgãos contaminados, podendo levar à morte. Diferente do que acontece com a exposição à radiação. Ao estar exposto, o efeito é apenas potencializado, ocasionando consequências mais drásticas somente com a recorrência excessiva à exposição.

Mas, e quanto aos riscos de NORM/TENORM na mineração?

Indústrias ligadas à mineração geram resíduos e rejeitos NORM/TENORM.

Especificamente, alguns exemplos dessa indústria são as companhias de extração de elementos em terras rasas, produção de nióbio, mineração subterrânea, produção de TiO2(Rutilo), Indústria de fosfato, produção de metais e carvão.

No Brasil, NORM está usualmente associado com as indústrias não nucleares, ou seja, com as indústrias de extração e processamento de minério tradicional. Do ponto de vista regulatório, a mineração e beneficiamento de urânio constituem monopólio da União Federativa e, portanto, segue a legislação do ciclo do combustível nuclear, não aplicável à NORM.

Uma indústria que gera NORM na forma de subprodutos, resíduos e rejeitos é a de extração e processamento de minérios.

A obtenção de metais por processos térmicos ou químicos, a partir de minérios como a cassiterita (Sn), columbita-tantalita e pirocloro (Nb, Fe, Ta, ETR), entre outros, produz resíduos e rejeitos que contém concentrações variáveis de urânio e tório associados, produtos sob a supervisão da CNEN.

O processo de verificação ao cumprimento dos requisitos de segurança e de radioproteção nas instalações mínero-industriais são estabelecidos na norma CNEN-NN-4.01 e implementado através de inspeções e auditorias.

As instalações são inicialmente classificadas com base em uma abordagem gradual quanto ao risco e diferentes aspectos são considerados no processo de fiscalização das instalações que lidam com NORM.

Na última década, as inspeções têm indicado que o principal problema enfrentado pela indústria mínero-industrial é a gestão e a deposição de NORM, muitas vezes, de forma inadequada, com consequências à proteção do público e ambientais.

Todos esses TENORM emitem radiação e são a causa de exposições de radiação gama externa. Se os TENORM são inalados e/ou ingeridos, os órgãos do corpo são expostos à radiação alfa emitida por partículas TENORM no pulmão e trato gastrointestinal.

Há também risco associado à inalação do gás radônio, que é radioativo, fruto do decaimento do rádio-226.

Inalar este gás dentro de vasos com pouca ventilação ou outros espaços confinados pode resultar em exposição interna à radiação.

No entanto, dentro de algumas horas, o fluxo de emissão deste gás é interrompido, a radiação gama externa não é mais captada.

NORM é designado por lei ou pelas autoridades reguladoras estando sujeito, portanto, ao controle, devido à sua radioatividade. O controle regulatório como uma prática inclui a opção de isenção, ou seja, se não é regulado, não é NORM.

Falamos de alguns exemplos do risco de TENORM em instalações onshore, agora elencamos os principais perigos desse tipo de material.

5 perigos da radiação por TENORM

Os principais riscos associados com TENORM acima dos limites estabelecidos pela CNEN estão ligados à forma de contato.

É possível ter contato com material radioativo de cinco maneiras:

  • Ingestão
  • Inalação
  • Absorção pela pele
  • Exposição
  • Incorporação interna

Cuidados de radioproteção para NORM/TENORM na indústria

Quando falamos de medidas de radioproteção, devemos nos basear no órgão máximo brasileiro responsável  pela fiscalização das atividades que envolvem materiais radioativos.

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) é a instituição que cuida da segurança nuclear do país e consequentemente de tudo que envolve radiação.

Como vimos, a radioatividade existente nos materiais encontrados durante a exploração de minério e petróleo são de baixa atividade específica (ISA – Low Specific Activity), pois se tratam de materiais radioativos de ocorrência natural (NORM). Esse tipo de material apresenta níveis de taxa de dose que não limitam as atividades dos trabalhadores, mas, em alguns casos, ultrapassam os limites derivados para Indivíduos do Público.

O grande problema está quando o NORM é manipulado de alguma maneira pela atividade industrial e passa a ser TENORM.

O TENORM é comum nas indústrias de petróleo e mineração, por isso precisa ser monitorado de perto pelo Serviço de Radioproteção.

Por exemplo, empresas que realizam perfilagem de poços de petróleo necessariamente precisam ter um serviço de radioproteção. É o que prevê a Norma Técnica nº 3.02, de 01/08/1988 da CNEN. Nesta regra são elencados os requisitos relativos à implantação e ao funcionamento de serviços de radioproteção em instalações nucleares e radioativas.

A atividade de perfilagem envolve riscos em todo o processo, contendo fontes radioativas nas etapas de armazenamento, transporte, calibração e realização do trabalho. Para isto, portanto, devem ser cumpridos prerrequisitos legais determinados pelas normas da CNEN, são elas:

  • Norma CNEN NN 3.01, de 06/01/2005 que estabelece os requisitos básicos de proteção radiológica das pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. Esta Norma é aplicada em todo o envolvimento de fontes radioativas nas práticas de manuseio, produção, posse e a utilização de fontes, bem como o transporte, o armazenamento e a deposição de materiais radioativos, abrangendo todas as atividades relacionadas que possam envolver exposição à radiação;
  • Norma CNEN NN 5.01, de 01/08/1988 que estabelece requisitos de radioproteção e segurança, com relação ao transporte de materiais radioativos, a fim de garantir um nível adequado de controle da eventual exposição de pessoas, bens e meio ambiente à radiação ionizante. A norma trata das especificações sobre materiais radioativos para transporte, da seleção do tipo de embalado, das especificações dos requisitos de projeto e de ensaios de aceitação de embalados, das disposições pertinentes ao transporte propriamente dito e das responsabilidades e requisitos administrativos (CNEN, 1988b);
  • Norma CNEN NN 6.02, de 16/04/2014 que dispõe sobre o licenciamento de instalações radioativas que utilizam fontes seladas, fontes não-seladas, equipamentos geradores de radiação ionizante e instalações radioativas para produção de radioisótopos;
  • Norma CNEN NN 7.01, de 30/05/2016 que dispõe sobre a certificação da qualificação de supervisores de proteção radiológica.pode provocar câncer e danos à estrutura do DNA, afetando inclusive futuras gerações.

A CNEN disponibiliza um breve roteiro sobre a radioproteção na perfilagem de petróleo.

Efeitos biológicos do TENORM

Os efeitos biológicos da radiação podem levar poucos dias ou até dezenas de anos para se manifestarem, sendo classificados em estocásticos ou determinísticos.

Efeitos estocásticos são efeitos em que a probabilidade de ocorrência é proporcional à dose de radiação recebida, sem a existência de limiar. Isto significa que doses pequenas, abaixo dos limites estabelecidos por normas e recomendações de proteção radiológica, podem induzir tais efeitos. Neste tipo de efeito destaca-se o câncer.

Efeitos determinísticos são efeitos causados por irradiação total ou localizada de um tecido, causando um grau de morte celular não compensado pela reposição ou reparo, com prejuízos detectáveis no funcionamento do tecido ou órgão.

Existe um limiar de dose, abaixo do qual a perda de células é insuficiente para prejudicar o tecido ou órgão de um modo detectável.
Isto significa que os efeitos determinísticos são produzidos por doses elevadas, acima do limiar, onde a severidade ou gravidade do dano aumenta com a dose aplicada. A probabilidade de efeito determinístico, assim definido, é considerada nula para valores de dose abaixo do limiar, e 100%, acima.

Infográfico dos órgãos mais sensíveis à radiação
Órgãos mais sensíveis à radiação ionizante

Em exposições causadas por materiais NORM e TENORM não há potencial para que efeitos determinísticos sejam gerados, desde que respeitadas condições normais de trabalho, contudo, não há limites seguros para inalação e/ou ingestão de radioisótopos.

O uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual) adequado é obrigatório. Lavagem das mãos e higiene pessoal também é algo fundamental para prevenir inalação e/ou ingestão de substâncias radioativas decorrentes de atividades que geram poeira.

Outra situação bastante encontrada é o TENORM nos resíduos e rejeitos das indústrias de transformação.

2. Os riscos ambientais de rejeitos radioativos

Primeiramente vamos classificar o que entendemos por rejeitos. Diferentemente dos resíduos, sobras reaproveitáveis de determinado processo, os rejeitos são tudo aquilo que é dispensado e não tem mais serventia para determinada operação.

É o que acontece na indústria. Mineradoras e indústrias de petróleo onshore produzem um grande volume de rejeitos.

Todo esse material contaminado e sem utilização precisa ser rejeitado de maneira correta.

Os problemas de gestão de resíduos e ou rejeitos NORM/TENORM estão relacionados ao seu grande volume, à sua presença em setores não-radiológicos e à variabilidade da sua composição química, física e propriedades radiológicas que diferem de indústria para outra e de um local para o outro.

O papel das indústrias, e principalmente da Segurança do Trabalho, reside em encontrar uma rota de gerenciamento seguro para NORM e anunciar uma estratégia neste domínio é um desafio para as autoridades reguladoras brasileiras.

A opção de reciclagem/reutilização tem sido uma tendência internacional que é considerada depois de avaliar as propriedades radiológicas dos resíduos e estabelecer uma estrutura regulamentar e legal para isso. Existem muitas opções para a reciclagem segura de resíduos NORM de volta aos processos que os geraram.

Da mesma forma, há muitas opções para a utilização segura dos resíduos NORM como subprodutos. Portanto, o resíduo NORM deve ser considerado mais como um recurso e não como um rejeito. Para algumas categorias de NORM, no entanto, a deposição como rejeito é a única opção e devem estar sujeitas à mesma abordagem global para rejeitos radioativos, a fim de assegurar a sua gestão segura, tecnicamente ideal e de custo viável. Pesquisas neste campo podem contribuir para a caracterização do risco e avaliação de seus impactos ambientais.

Atualmente, a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) desenvolve um documento voltado à gerência de resíduos radioativos gerados na produção de urânio e também por mineradoras com NORM/TENORM.

3 problemas dos rejeitos com NORM/TENORM na indústria

  • Grande volume de resíduos e rejeitos;
  • Contaminação dos trabalhadores;
  • Risco Ambiental.

O Serviço de Radioproteção deve ser utilizado para monitorar os depósitos de resíduos e/ou de rejeitos da indústria de exploração de petróleo e de minério.

O volume é muito grande e o perigo de contaminação proporcionalmente igual. Por isso é importante garantir que tanto o meio ambiente como os trabalhadores envolvidos estejam protegidos.

Uma política de radioproteção deve ser implementada nas indústrias de transformação que produzem resíduos e rejeitos NORM/TENORM.

Nenhuma empresa ou profissional quer ter seu nome associado a um desastre ambiental.

Dentre outros problemas, existe um grande risco de contaminação do lençol freático das regiões exploradas. A contaminação pode se espalhar e tomar dimensões catastróficas.

O próprio IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) definiu os procedimentos necessários para o licenciamento e a regularização ambiental de instalações radioativas.

A Instrução Normativa nº 1/2016, publicada em 2017, aprimora o caráter de regulação e controle.

Só resta aos profissionais responsáveis de cada indústria buscarem se adequar e cumprir as exigências.

3. Os riscos das fontes radioativas de terceirizadas

Muitas operações realizadas na indústria que você trabalha são executadas por empresas terceirizadas.

Você precisa estar atento para qualquer incidente!

Os prestadores de serviços terceirizados trazem para dentro das unidades seus próprios equipamentos. Uma das principais atividades que trazem temporariamente instrumentos com fonte radioativa é o serviço de gamagrafia.

O material de trabalho deste tipo serviço permanece por todo o período que a operação terceirizada estabelecer: desde a chegada dos equipamentos necessários, passando pela execução e finalmente na retirada ao fim da operação contratada.

Esse tipo de equipamento é pesado e de difícil manuseio. A probabilidade de acidentes de trabalho é baixa, mas no caso de alguma ocorrência os perigos são grandes.

A equipe da unidade deve estar devidamente treinada para agir diante de tal situação. Todos os profissionais devem ter noções básicas de radioproteção e, em especial, os responsáveis pela Segurança do Trabalho (engenheiros e técnicos) e o departamento médico (técnicos, enfermeiros e médicos).

É fundamental saber como proceder diante de incidentes envolvendo radiação.

É preciso ter treinamento desde cuidados em primeiros socorros até medidas de radioproteção para delimitar áreas de contaminação e exposição.

Somente com um treinamento prévio medidas de radioproteção podem ser adotadas e assim evitar completamente a contaminação e a exposição excessiva ao material radioativo no interior da instalação.

Outra medida a ser tomada se dá pela informação. Grande parte dos trabalhadores da indústria não tem a menor noção de que possam estar expostos à radiação.

Por isso é de suma importância, além das placas e sinais de advertências, fazer um trabalho de educação com cada um dos trabalhadores e fazer com que os níveis de exposição sejam os mais baixos possíveis, cumprindo as exigências do órgão regulador.

Estabelecer um Plano de Contingência específico para esse tipo de situação é essencial no combate aos acidentes de trabalho envolvendo radiação ionizante na indústria.

Gostou de saber mais sobre os riscos na indústria?

A radiação e em especial a radiação ionizante acarretam diversos efeitos biológicos aos indivíduos expostos a ela de acordo com a dose e a forma de resposta. Por isso, a melhor forma de evitar os efeitos estocásticos e determinísticos da radiação ionizante no ambiente de trabalho é através de um Serviço de Radioproteção bem preparado.

Se sua equipe de Segurança do Trabalho tem IOEs (Indivíduos Ocupacionalmente Expostos) é necessário estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente para que todos os profissionais expostos à radiação tenham a proteção adequada de acordo com as normas da CNEN.

Também é possível contratar empresas especializadas em Radioproteção para cuidar da proteção radiológica da sua empresa ou da empresa que você trabalha.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um Guia completo sobre NORM e TENORM, um dos maiores riscos enfrentados no onshore e no offshore.

Clique aqui em Guia Completo de Gestão NORM e TENORM e tenha acesso a esse material.

Obrigado pela leitura e até o próximo conteúdo de Radioproteção na Prática.

Cadastre-se na nossa newsletter e seja um especialista no assunto.

FONTES:

Quer contar com a Radioproteção da LinceRadio na sua empresa?

Guia Definitivo de Radioproteção - Banner

Compartilhe

Cadastre-se para receber conteúdo em primeira mão.