Tudo que um bom Plano de Radioproteção deve ter

André Santiago
Por André Santiago Diretor de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da LinceRadio Publicado em Atualizado em

Plano de Radioproteção é o nome dado ao documento redigido com todas as orientações a serem seguidas tanto pela equipe de radioproteção como por todos que estiverem ligados direta ou indiretamente à atividade ocupacional exposta à radiação.

Toda instalação que opera com material radioativo está exposta aos riscos da radiação ionizante e deve preparar um documento descrevendo as diretrizes de radioproteção que devem ser seguidas rigorosamente.

O que você vai encontrar nesta postagem:

Vamos trazer vários tópicos importantes a serem considerados na hora de estruturar o seu próprio Plano de Radioproteção. Alguns dos principais pontos são:

Chegou a hora de fazer um verdadeiro check list de tudo o que o seu Plano de Radioproteção deve ter!

Todo bom Plano de Radioproteção deve compreender:

  • A identificação da Instalação e de seu Titular (Direção);
  • A função, classificação e descrição das áreas da instalação;
  • A descrição da equipe, das instalações e equipamentos do Serviço de Radioproteção;
  • A descrição das fontes de radiação, dos sistemas de controle e de segurança e de sua aplicação;
  • A função e a qualificação dos IOE;
  • A descrição dos programas e procedimentos de monitoração individual, das áreas e do meio ambiente;
  • A descrição do sistema de gerência de rejeitos radioativos, estando a sua eliminação sujeita a limites estabelecidos em norma específica;
  • A estimativa de taxas de dose para condições de rotina;
  • A descrição do serviço e controle médico dos IOE, incluindo planejamento médico em caso de acidentes;
  • O programa de treinamento dos IOE e demais trabalhadores da instalação;
  • Os níveis de referência, limites operacionais e limites derivados, sempre que convenientes;
  • A descrição dos tipos de acidentes admissíveis, do sistema de detecção correspondente e do acidente mais provável ou de maior porte, com detalhamento da árvore de falhas;
  • O planejamento de interferência em situações de emergência até o restabelecimento da normalidade;
  • As instruções de radioproteção e segurança fornecidas, por escrito, aos trabalhadores.

Além disso, o Plano de Radioproteção deve descrever as atribuições do Titular (direção) da Instalação, do Supervisor de Radioproteção e dos IOE da Instalação.

Cada um deve ter suas responsabilidades devidamente detalhadas no plano.

Responsabilidade do Titular (direção) da Instalação

Ao Titular da instalação cabe:

  • Licenciar a instalação junto à CNEN;
  • Ser responsável pela segurança e radioproteção da instalação;
  • Reduzir a probabilidade de acidentes, autorizar as exposições de emergência e estabelecer limites derivados e operacionais;
  • Implantar um Serviço de Radioproteção, com pelo menos um Supervisor de Radioproteção;
  • Estabelecer e submeter à CNEN o Plano de Radioproteção e suas revisões;
  • Instalar e manter um serviço médico adequado;
  • Instruir os IOE sobre os riscos inerentes às suas atividades e Situações de Emergência;
  • Estabelecer acordos com organizações de apoio para as emergências;
  • Notificar à CNEN sobre as ocorrências de acidentes que possam resultar em doses em IOE e/ou indivíduos do público, e submeter um relatório com análise de causas e consequências;
  • Implementar um Plano Anual de Auditoria e Garantia da Qualidade;
  • Garantir livre acesso à instalação, dos inspetores da CNEN.

Responsabilidade do Supervisor de Radioproteção

O Supervisor de Radioproteção deve:

  • Implementar e orientar o Serviço de Radioproteção;
  • Assessorar e informar o Titular da Instalação sobre assuntos relativos à radioproteção;
  • Fazer cumprir as normas e recomendações da CNEN bem como o Plano de Radioproteção ;
  • Treinar, reciclar, orientar e avaliar a equipe do Serviço de Radioproteção e demais IOE envolvidos com fontes de radiação;
  • Designar um substituto capacitado e qualificado em seus impedimentos.

Responsabilidade dos IOEs da instalação

Aos IOE da instalação cabem duas atribuições fundamentais:

  • Executar as atividades de rotina em conformidade com regulamentos de segurança e radioproteção estabelecidos pelo Titular(Direção) da Instalação;
  • Informar ao Serviço de Radioproteção e aos seus superiores, qualquer evento anormal que possa acarretar níveis de exposição ou risco de ocorrência de acidentes.

Atividades do Serviço de Radioproteção

O Serviço de Radioproteção é o responsável por efetuar o Controle dos IOE, o Controle das Áreas, o Controle das Fontes de Radiação, o Controle dos Equipamentos e manter atualizados os Registros.

O Controle dos IOE é efetuado por meio da Monitoração Individual dos IOE, avaliando as doses que cada um dele recebeu durante o período de trabalho. Além disso, o Serviço de Radioproteção deve acompanhar a supervisão médica dos IOE da instalação.

O Controle de Áreas é feito pela avaliação e classificação periódica das áreas da instalação, passando pelo controle de acesso, execução de um programa de monitoração e sinalização das áreas.

O Controle das Fontes de radiação de uma instalação deve ser feito por meio de um programa de controle físico, com a consequente verificação da integridade das fontes, quanto a possíveis vazamentos.

Os equipamentos geradores de radiação devem passar por programas de inspeção periódica enquanto que os instrumentos utilizados para a radioproteção devem ser calibrados com a periodicidade estipulada em norma específica.

O registro de usos, ocorrências e das doses individuais dos trabalhadores da instalação, devem estar sempre atualizados no Serviço de Radioproteção.

Equipamentos e instalações

Procedimentos básicos para uso e manutenção de mecanismos em radioproteção.

  • Utilizar o equipamento de proteção individual adequado: luvas, avental, óculos, máscara, etc.;
  • Utilizar os instrumentos de monitoração durante todo o trabalho: caneta dosimétrica, monitor individual(filme ou TLD), monitor de área, monitor de contaminação superficial, etc.;
  • Manter limpo e em ordem a área(ou laboratório) onde se trabalha com material radioativo;
  • As áreas onde se trabalha com material radioativo devem ser isoladas e bem sinalizadas;
  • Manipular o material radioativo em local adequado e com sistema de exaustão apropriado: capelas, células quentes, caixas de luvas, etc.;
  • Utilizar os instrumentos de manipulação adequados: pinças, porta-fontes, castelos, etc.;
  • Manipular fontes abertas(pó, líquido) sobre bandejas de material liso(aço inox, teflon) forradas com papel absorvente;
  • Proteger as bancadas com material apropriado e de fácil remoção, como papel absorvente sobre plástico impermeável ou folha de alumínio, caso haja possibilidade de contaminação superficial;
  • Trabalhar em lugar com iluminação e ventilação adequadas.

Planejamento da atividade

Medidas fundamentais para o bom andamento das atividades dentro das áreas de trabalho envolvendo radiação ou exposição à radiação.

  • Conhecer antecipadamente as características do material radioativo com o qual irá trabalhar;
  • No caso de material de alta atividade ou de difícil manipulação, simular todas as operações com material de mesmas características, mas inerte, antes de iniciar o trabalho;
  • Trabalhar com as menores atividades possíveis de material radioativo;
  • Somente o material radioativo que vai ser utilizado deve estar no local de manipulação;
  • Manter o responsável pela radioproteção informado sobre todo o transporte de radioisótopos, bem como sobre a chegada e saída dos mesmos.

Procedimentos operacionais

Precauções básicas para radioproteção.

  • Não comer, beber ou fumar na área(ou laboratório) ou durante o trabalho com material radioativo;
  • Não portar nem armazenar alimentos em local em que se trabalha com material radioativo;
  • Em todo o trabalho com material radioativo, ter sempre em mente os três parâmetros básicos de radioproteção: tempo, distância e blindagem;
  • No trabalho com fontes abertas, ter sempre a companhia de outra pessoa igualmente qualificada;
  • Não permitir que pessoas não treinadas manipulem material radioativo;
  • Usar blindagem o mais próximo da fonte;
  • Nunca pipetar material radioativo com a boca;
  • Fazer medições dos níveis de radiação no local, antes, durante e após a realização dos trabalhos;
  • Após trabalhar com material radioativo, descartar as luvas de proteção e lavar bem as mãos e unhas com água e sabão e submetê-las a um medidor de contaminação;
  • Qualquer transporte de material radioativo de um lugar para outro deve ser feito com todos os cuidados possíveis;
  • Executar todos os procedimentos recomendados para a prática específica.

Gerência de rejeitos

Medidas fundamentais para a operação de rejeitos radioativos.

  • Saber antecipadamente a destinação dos rejeitos provenientes do trabalho a ser executado, se houver;
  • Separar, embalar e identificar, conforme sua categoria, o material classificado como rejeito;
  • Não jogar material radioativo nas vias de esgoto normal, a não ser que atenda aos limites definidos pelas normas específicas;
  • Se um material estiver contaminado, avaliar se o custo e o esforço para descontaminá-lo compensam ou se é melhor considerá-lo como rejeito;
  • Os recipientes devem portar de maneira visível, o símbolo da presença de radiação;
  • O armazenamento provisório deve ser em local incluído no projeto da instalação;
  • A segregação de rejeitos deve ser feita no local em que foram produzidos;
  • Os rejeitos devem ser identificados em categorias segundo o estado físico, tipo de radiação, concentração e taxa de exposição;
  • Rejeitos eliminados devem ser registrados em formulário próprio;
  • Os recipientes devem ser adequados às características físicas, químicas, biológicas e radiológicas dos rejeitos e condições asseguradas de integridade;
  • Os recipientes destinados ao transporte interno devem atender aos limites máximos para contaminação externa;
  • Os veículos para transporte interno devem ter meios de fixação adequada para as fontes de radiação;
  • Após cada serviço de transporte devem ser monitorados e se necessário, descontaminados;
  • O transporte externo é regulado por norma da CNEN;
  • O local de armazenamento deve dispor de barreiras físicas e radiológicas para conter com segurança os rejeitos, evitar sua dispersão para o ambiente e minimizar a exposição de trabalhadores;
  • O tratamento e a eliminação estão sujeitos às normas da CNEN;
  • Os registros e inventários devem ser mantidos atualizados.

Segurança e acidentes

Providências para a manutenção de um ambiente seguro e sem riscos de acidentes.

  • Todas as possibilidades de acidente devem ser analisadas antes de se iniciar um trabalho;
  • Qualquer evento relevante, não enquadrado no planejamento ou nos procedimentos operacionais, deve ser registrado para correção posterior;
  • No caso de desvio de procedimento técnico envolvendo contaminações ou aumento de dose, o fato deve ser registrado e comunicado ao serviço de radioproteção ou de emergência da instalação;
  • No caso de acidente mais grave, com perda de controle da situação, é necessário acionar o Serviço de Radioproteção ou de emergência da instalação;
  • Ter sempre em mente que o melhor processo de descontaminação consiste em evitar a contaminação.

A radiação ionizante causa diversos efeitos biológicos aos indivíduos expostos a ela de acordo com a dose e a forma de resposta. Por isso, a melhor forma de evitar os efeitos estocásticos e determinísticos da radiação ionizante no ambiente de trabalho é através de um Serviço de Radioproteção bem preparado.

Também é possível contratar empresas especializadas em Radioproteção para cuidar da proteção radiológica da sua empresa ou da empresa que você trabalha.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

Quer contar com a Radioproteção da LinceRadio na sua empresa?

Guia Definitivo de Radioproteção - Banner

Compartilhe

Cadastre-se para receber conteúdo em primeira mão.