6 mitos sobre a radiação

Existem inúmeras áreas em que a radiação e as técnicas nucleares têm sido aproveitadas para gerar diversos benefícios às nossas vidas, desde a medicina até o controle de processos industriais.

Entretanto, existem diversos mitos e receios acerca da radiação e o papel deste post é desmistificar a ideia errada de que a radiação apresenta grandes riscos à nossa vida. Continue lendo e descubra!

Mito 1 – Alimentos irradiados são radioativos e apresentam riscos aos consumidores

Na verdade, a irradiação em alimentos elimina bactérias que podem ser prejudiciais à saúde do ser humano, além de garantir que eles sejam resistentes a longos tempos de viagem, caso sejam importados. A irradiação não deixa a comida radioativa e nem contém substâncias químicas nocivas.

Mito 2 – A radiação de exames de Raios X odontológico podem gerar severas dores de cabeça

É um fato que grandes doses de radiação podem gerar efeitos nocivos à saúde, como vômitos e náuseas. Mas, em pequenas dose, como as que ocorrem em radiografias médicas e odontológicas, não causam qualquer dores de cabeça ou outros problemas.

Mito 3 – Usinas nucleares emitem uma quantidade perigosa de radiação em áreas próximas 

Uma pessoa que more a 50 milhas de uma usina nuclear recebe mais radiação vinda de fontes naturais, como o sol e rochas, do que a emitida em usinas nucleares. Além disso, você sabia que as usinas a carvão emitem mais radiação que uma usina nuclear? Isto ocorre por conta do urânio e do tório contidos no carvão, que também estão presentes em quantidades pequenas e não apresentam grandes riscos.

Mito 4 – A exposição à radioatividade causa morte instantânea à pessoa

Na verdade, a radiação interage com o corpo à nível celular. Até que danos sejam gerados, leva um tempo, sendo instantâneos apenas efeitos como náuseas e vômitos (e, mesmo assim, a quantidade de radiação precisa ser muito alta). Os efeitos da radiação podem ser desde queimaduras até câncer.

Mito 5 – Trabalhar com fontes radioativas representa perigo ao trabalhador

Para poder utilizar equipamentos com fontes radioativas, é preciso que eles sejam licenciados junto a CNEN. Trata-se de uma autorização obrigatória, seguindo também as leis trabalhistas, de meio ambiente e segurança do trabalho, quanto a presença de emissores radiométricos na planta.

De fato, a radiação precisa ser tratada com cautela. Uma exposição a níveis excessivos pode causar danos celulares e até a morte, mas são casos que dificilmente acontecem, já que a legislação brasileira é bem rígida quando se trata de Radioproteção na área de Segurança do Trabalho.

Entenda: se todas as normas da Radioproteção forem seguidas, você estará mais exposto à radiação quando voar de avião do que trabalhando ao lado de um instrumento que utilize a tecnologia nuclear.

E equipamentos com fontes radioativas apresentam resultados extremamente precisos, garantindo o melhor controle de processos desafiadores, como aqueles que ocorrem no Offshore.

Mito 6 – A Radiação não é gerada naturalmente

Como você pôde ler no terceiro mito, este também é um, uma vez que estamos expostos à radiação natural diariamente, por conta dos raios de sol. Outro exemplo de radiação natural é o NORM/TENORM, presentes na natureza e que podem estar presentes no Offshore.

Durante a fase de perfuração de uma plataforma Offshore, o campo que está sendo explorado já conta com a presença de material NORM. Assim que o processo de extração do óleo prossegue, o material, que está diluído nele acaba “subindo” junto através de vasos, linhas e tubulações. Quando o material vai se acumulando na plataforma, já apresenta mais riscos de contaminação.

O que fazer para garantir a segurança de todos no Offshore?

Para garantir que a operação do ativo Offshore esteja de acordo com as normas e nenhum trabalhador corra perigo de contaminação, é importante realizar uma inspeção regulatória para eliminação de Não Conformidades.

Esta inspeção é um serviço oferecido por empresas especializadas, em que a planta de produção é totalmente monitorada através e uma varredura completa, em que são avaliados todos os tópicos levantados pela CNEN, pelo MTE e pelo IBAMA, referentes à proteção radiológica.

Então, um relatório é emitido com todas as não conformidades presentes identificadas, além de sugestões para eliminar as não conformidades da sua planta de produção. Lembre-se que são apenas sugestões e você pode decidir por não acatá-las. Mas também não se esqueça que o relatório é feito por uma empresa especializada e com aval da CNEN para realizar a inspeção.

Existem empresas que disponibilizam o serviço de todo o gerenciamento, armazenamento e destinação final de rejeitos NORM/TENORM de forma segura e dentro das normas. Também fornecem toda a logística, como o entamboramento, o transporte e mão de obra apropriada, além de darem destino final a estes rejeitos, que não podem ficar armazenados em um depósito inicial (normalmente, na própria planta de produção em que foram encontrados).

Não se esqueça: as leis estão aí para serem seguidas à risca. Assim, você evita que acidentes ocorram, o que acarretaria em prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente.

Para saber mais sobre a Radioproteção, você pode baixar nosso guia completo sobre o assunto clicando na imagem abaixo!

guia de radioproteção

Também não deixe de assinar a nossa newsletter para receber mais conteúdos como este!