A Tecnologia a serviço da Proteção Radiológica

O mundo está em constante evolução e novas tecnologias vêm tanto para garantir a nossa segurança quanto para que processos sejam mais eficientes. Mas você já se perguntou como o trabalho com a tecnologia atual trabalha a favor da proteção radiológica?
Primeiramente, precisamos entender que o risco associado à radiação está diretamente ligado à atividade das fontes, ao tempo em que o trabalhador permanece perto dela, e a distância que ele permanece próximo dessa fonte.

São fatores que não necessariamente conseguimos controlar!

Precisamos entender também que a tecnologia que existe hoje é MUITO diferente da que existia há 5, 10 e até 30 anos.
Atualmente ainda temos equipamentos da década de 70 em funcionamento, uma prova de que esses sistemas radiométricos são resistentes, duráveis e eficientes.
Mas como a tecnologia mudou, o que antes era necessária uma fonte com atividade muito alta para realizar um processo, hoje, com sensores mais bem montados e equipamentos com uma sensibilidade maior, é possível que as fontes tenham uma atividade bem menor, até 100x menor, do que há 20~30 anos atrás!
Com essa redução da atividade, diminui-se o risco de uma exposição e, caso ela ocorra, o risco está minimizado, de acordo com a redução da fonte.
O mundo está em constante evolução e novas tecnologias vêm tanto para garantir a nossa segurança quanto para que processos sejam mais eficientes. Mas você já se perguntou como o trabalho com a tecnologia atual trabalha a favor da proteção radiológica?
Outros exemplos de que a tecnologia atual nos possibilitou com relação à segurança e proteção radiológica é que, atualmente, muitos dos sistemas podem ser acionados e controlados remotamente à distância.
No passado, uma pessoa precisaria ir até uma fonte ou um processo pessoalmente para fechar o obturador caso fosse necessário fazer a manutenção do sistema.
Hoje em dia, de uma sala de comando central, por uma ordem de computador, é possível enviar um comando para que a ação desejada seja realizada . E quando é necessária uma intervenção de um funcionário, a fonte já está com o obturador fechado no momento da operação, o que diminui os riscos.

Basicamente estamos falando que a tecnologia nos ajuda a reduzir os riscos de duas formas:

    • Minimizando a atividade dessas fontes que estão em uso hoje em dia, gerando um grau de risco menor;
    • Com a avanço dessas tecnologias mecânica e mecatrônica, é possível conseguir realizar atividades à distância e remotamente, o que antes não era possível.
É claro que a tecnologia ajuda até um determinado ponto!

É importante que o profissional esteja treinado, capacitado, habilitado e com plenos conhecimentos de riscos aos quais estará exposto, por menor que seja a atividade e o risco da fonte!
Se ele não estiver treinado e consciente dos riscos e das consequências das suas ações, está passível de ocorrer acidentes com ele, com a empresa e até ambientais.
Por maior que seja o avanço tecnológico, a maior parte das falhas ainda é humana! Os acidentes de Goiás, de Chernobyl e de Fukushima estão aí para provar.
Sempre batemos na tecla de que a radiação – e em especial a radiação ionizante – causa diversos efeitos biológicos às pessoas expostas a ela, dependendo da dose de exposição.
Se você quer evitar todos os efeitos da radiação ionizante no ambiente de trabalho precisa de um Serviço de Radioproteção bem preparado.
Se você é ou a sua equipe possui um IOE (Indivíduo Ocupacionalmente Exposto), estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente é mandatório!
Quando você trabalha em uma indústria que utiliza fontes radioativas em seus processos, é necessário que todos os profissionais expostos à radiação tenham a proteção adequada, de acordo com as normas da CNEN.
Também é possível contratar empresas especializadas para cuidar da sua proteção radiológica se, por algum motivo, for gerada muita dor de cabeça ao implementar um Serviço de Radioproteção por conta própria.
Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.
E não se esqueça de se cadastrar na nossa newsletter e seja um especialista no assunto!

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país