Saiba tudo sobre água de produção no Offshore

A saúde e a preservação do meio ambiente é uma pauta que está cada vez mais no foco das discussões entre países ao redor do mundo. 

A poluição dos recursos hídricos é um desses pontos abordados e que consiste na alteração indesejável nas características da água, ocasionando danos à saúde, à sobrevivência ou às atividades humanas e de outras espécies.

A água de produção resulta em um tipo de poluição hídrica e é preciso ter atenção total a ela, bem como na forma como é gerenciada no Offshore. 

Saiba tudo sobre ela ao longo da leitura deste post!

O que é água de produção?

A água de produção, também conhecida como água de processo ou água produzida, é o efluente gerado no meio de produção de petróleo e gás natural descartado no mar. 

Os três principais poluentes presentes na água de produção, são: 

  • a graxa; 
  • o óleo; 
  • material radioativo do tipo NORM/TENORM.

Essa água é encontrada tanto na indústria Offshore, como na Onshore, mas é importante levar em consideração que cerca de 80% do petróleo nacional é produzido através de plataformas Offshore localizadas ao longo da costa brasileira. 

A água de produção é um conjunto formado por:

  • água de formação;
  • água de condensação;
  • água de dessalinização.

A água de formação corresponde à maior parte da água de produção e é a água do mar ou água doce que, há milhões de anos, foi represada em reservas geológicas formadas por rochas porosas sedimentares, entre camadas impermeáveis no interior da crosta terrestre. 

A água de condensação é a água injetada nos processos de recuperação secundária, com a função de resfriamento.

Já a água de dessalinização é a água utilizada para dessalinização do petróleo produzido.

Podemos considerar a água de produção como um subproduto da produção de petróleo. Ela é gerada durante o processo de separação de óleo e gás.

Como gerenciar os riscos presentes na água de produção?

As empresas responsáveis pelas plataformas devem realizar o monitoramento anual da água produzida a ser descartada no mar. O objetivo é identificar a presença e concentração das seguintes substâncias:

  • compostos inorgânicos: As, Ba, Cd, Cr, Cu, Fe, Hg, Mn, Ni, Pb, V, Zn;
  • radioisótopos: Ra-226 e Ra-228;
  • compostos orgânicos: Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos – HPA, Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e Xilenos – BTEX, Fenóis e avaliação de Hidrocarbonetos Totais de Petróleo – HTP;
  • toxicidade crônica da água produzida determinada por meio de método ecotoxicológico padronizado com organismos marinhos;
  • parâmetros complementares: Carbono Orgânico Total – COT, pH, Salinidade, Temperatura e Nitrogênio Amoniacal Total.

O tratamento da água de produção feito antes do descarte também é fundamental para gerenciar riscos, tanto de contaminação da sua equipe, quanto do meio ambiente.

O volume de água de produção gerado no Offshore varia de acordo com as características e idade da planta de produção. 

As mais maduras são aquelas em que há um volume maior da geração de água de produção. Em alguns casos, o volume de água gerado na produção pode chegar a ser,  dentre todos os resíduos produzidos pelo setor Offshore, o maior.

Devido ao aumento do volume de água de produção durante a vida produtiva de um ativo Offshore, o impacto ambiental pode ser gravíssimo. 

Quanto mais um poço é explorado, maior é o aumento da água de produção gerado, uma vez que a quantidade de água para tratar este material é maior.

Gerenciar a água de produção de um ativo Offshore é um grande desafio para o setor de Segurança do Trabalho. 

As formas mais comumente empregadas para o seu destino, são: o descarte, injeção e o reuso. Porém, em todos os casos, é necessário o tratamento da água de produção.

Sendo assim, a água de produção só pode ser lançada direta ou indiretamente no mar quando estiver de acordo com as condições, padrões e exigências legais.

Esperamos que você tenha entendido tudo sobre a água de produção e os riscos que ela pode representar ao meio ambiente. É importante lembrar que a água de produção contém material radioativo NORM/TENORM, que pode gerar sérios problemas ao ambiente de trabalho.

As leis estão aí para serem seguidas à risca. Assim, você evita que acidentes possam ocorrer, o que acarretaria em prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente!

Se você é ou a sua equipe possui um IOE (Indivíduo Ocupacionalmente Exposto), estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente é mandatório!

Existem empresas especializadas que dispõem de serviços de inspeção em ativos Offshore, para que não conformidades sejam identificadas e eliminadas. Essas empresas emitem um laudo com tudo o que está errado e sugerem correções, que podem ser adotadas pelo cliente ou não.

Também é possível contratar empresas para cuidar da sua proteção radiológica se, por algum motivo, for gerada muita dor de cabeça ao implementar um Serviço de Radioproteção por conta própria.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um guia completo e gratuito com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

guia de radioproteção

Não deixe de assinar a nossa newsletter para receber mais conteúdos como este!