Como funciona a Radioproteção no Offshore?

Você, que trabalha embarcado, sabe dos riscos envolvendo radiação que podem estar presentes em seu ambiente de trabalho? 

E como a Radioproteção pode ser negligenciada por diversas empresas?

Se não sabe, continue lendo e descubra!

Qual é a importância da Radioproteção?

A Radioproteção é área responsável pela prevenção de acidentes relacionados aos efeitos da exposição à radiação ionizante no ambiente de trabalho.

É importante lembrar que a Radioproteção não é somente aplicada na operação de reatores nucleares, mas também para garantir a proteção e segurança de trabalhadores e empresas nas diferentes aplicações que utilizam fontes radioativas na indústria, medicina e agricultura, quando se trata do Onshore.

No Offshore, a Radioproteção ainda atua no controle do material radioativo, no gerenciamento de rejeitos radioativos e na gestão e descontaminação de materiais radioativos NORM/TENORM. 

Negligenciar a Radioproteção pode originar uma interdição!

Hoje em dia, assuntos relacionados à materiais radioativos TENORM estão sendo amplamente debatidos, ainda mais depois da publicação da NR-37

Se a plataforma Offshore em que você trabalha possuir alguma não conformidade, seja em relação a esses materiais ou outros pontos, como segurança, por exemplo, ela pode sofrer uma interdição, e você não quer isso, certo?

Uma plataforma de petróleo ou um FPSO podem gerar milhares de dólares de prejuízo por dia se ficarem parados!

Os perigos radiológicos costumam ser negligenciados no Offshore, principalmente se as empresas cuidam da própria Radioproteção. Uma vez que os responsáveis indicados pela empresa são funcionários com outras atribuições diárias inerentes aos seus cargos, os cuidados de rotina em Radioproteção ficarão em segundo plano, até que seja tarde demais.

Práticas rígidas de segurança do trabalho devem ser adotadas em todas as áreas onde houver presença de NORM/TENORM. O objetivo é assegurar que nenhum IOE receba dose de radiação ionizante excessiva ao limite admissível para qualquer pessoa.

Além da presença de NORM e TENORM, o uso de instrumentos radiométricos estrangeiros e/ou terceirizados requer atenção nas plataformas, uma vez que eles utilizam fontes radioativas para realizar as medições. Portanto, priorizar a Radioproteção no cotidiano da indústria Offshore é uma dica fundamental.

A NR-37 e as Radiações Ionizantes

A NR-37, norma que estabelece os requisitos mínimos de segurança, saúde e condições de convívio em plataformas Offshore que estão em operação em águas nacionais, possui uma parte totalmente voltada para as Radiações Ionizantes em plataformas de petróleo!

A norma diz que, durante todo o ciclo de vida da plataforma, a operadora deve adotar medidas para proteger os trabalhadores contra os efeitos nocivos da radiação ionizante, provenientes de operações industriais com fontes radioativas e de materiais radioativos de ocorrência natural (NORM/TENORM) gerados durante a exploração, produção, armazenamento na plataforma.

Quais os principais serviços de rotina em Radioproteção no Offshore?

Quando se trata de cuidar da Radioproteção em um ativo Offshore, existem serviços de rotina que devem ser executados. As empresas podem optar por cuidar da Radioproteção por conta própria ou contratar empresas terceirizadas.

Os principais serviços de rotina são:

  • Monitorar a planta, no mínimo semestralmente;
  • Isolar e sinalizar as áreas controladas;
  • Fornecer controle de dose ocupacional para os envolvidos.

Como proceder caso ocorram intervenções na plataforma Offshore?

  • Realizar as etapas da rotina, monitorando, isolando e sinalizando a área, além de fornecer a dosimetria;
  • Anotar dados dos envolvidos, para controle;
  • Forrar a área com lona plástica;
  • Montar o ponto de controle e monitoração de pessoal;
  • Providenciar contentores para EPIs contaminados;
  • Providenciar tambores para armazenamento dos rejeitos;
  • Providenciar caixas metálicas e/ou contêineres para peças maiores;
  • Providenciar marcadores permanentes para anotação das peças e pontos contaminados para corte;
  • Providenciar material para tamponamento dos segmentos de linhas e válvulas;
  • Iniciar a purga das linhas e vasos, tendo cuidado para nenhum material extravasar. É importante preencher apenas ⅔ do tambor;
  • Monitorar e rotular os tambores que contenham borra oleosa;
  • Garantir que nenhum trabalhador se contamine e, caso isso ocorra, proceder com sua descontaminação da forma correta;
  • Refazer a monitoração no interior dos vasos e tanques, para garantir que toda contaminação tenha sido removida;
  • Monitorar e marcar para o corte as peças e trechos de linhas contaminadas;
  • Remover manualmente estas incrustações e, acondicioná-las em tambores;
  • Cuidar de toda a papelada que precisa ser arquivada e mantida para rastreabilidade;
  • Acompanhar toda a destinação dos rejeitos gerados;
  • Por último, mas não menos importante: ter quem se comprometa legalmente por tudo isso, assumindo a responsabilidade perante os órgãos reguladores e demais envolvidos!

Caso não siga esses passos corretamente, pode sofrer graves consequências, como indiciamento dos responsáveis legais, multas, danos à sua imagem e a da sua empresa, processos trabalhistas, desvalorização patrimonial e, como dito no começo deste post, interdição nas operações.

De que forma é possível identificar uma não conformidade em ativos Offshore?

Existem empresas especializadas que dispõem de serviços de inspeção em ativos Offshore, para que essas não conformidades sejam identificadas e eliminadas. Essas empresas emitem um laudo com tudo o que está errado e sugerem correções, que podem ser adotadas pelo cliente ou não.

Podemos pensar nesse serviço como uma pré-inspeção feita para que o cliente não caia em uma não conformidade grave, gerando assim, os dois principais malefícios possíveis, que são: a multa e a interdição do ativo Offshore.

É importante ter essa certeza de que a unidade será vistoriada por um grupo de profissionais de uma empresa competente, qualificada e certificada pelo próprio órgão regulador. Assim, ela pode sinalizar erros e propor correções. O gasto para prevenir e reparar serão bem menores do que os prejuízos futuros, caso sejam negligenciados!

É sempre importante lembrar: quem segue as leis, evita que acidentes aconteçam, assim como prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

E não esqueça de se cadastrar na nossa newsletter para receber mais materiais sobre o assunto!

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país
  • NR-37