O Impacto da Radioproteção no Descomissionamento de Ativos Offshore

A indústria petrolífera é uma das mais importantes do mundo, já que a demanda e a dependência do petróleo é praticamente universal, seja para gerar energia ou promover a locomoção de pessoas e materiais ao redor do planeta.Mas quando um Ativo Offshore não produz mais o suficiente, é necessário passar pelo processo de descomissionamento.

Você sabe o que é isso?

A indústria petrolífera é uma das mais importantes do mundo, já que a demanda e a dependência do petróleo é praticamente universal, seja para gerar energia ou promover a locomoção de pessoas e materiais ao redor do planeta.Mas quando um Ativo Offshore não produz mais o suficiente, é necessário passar pelo processo de descomissionamento.

O que são ativos Offshore?

Ativos Offshore são as plataformas petrolíferas em alto mar. É nelas que ocorre a extração de petróleo no oceano. Geralmente estão localizadas em áreas marítimas com grande profundidade e com reservas abundantes do material.

A construção das plataformas, no entanto, é feita em terra firme para posteriormente serem içadas ou ficarem flutuando sobre o local de extração do petróleo, dependendo do tipo da plataforma.

Antes da construção e da instalação, é necessário que um estudo seja realizado na área escolhida, uma vez que os custos de construção de ativos Offshore são altos. É importante atentar para fatores de risco, como os ambientais, por exemplo.

Quais são os tipos de ativos Offshore?

A gente fala muito a respeito de dois tipos aqui no blog, que são:

  • Plataformas fixas: as plataformas fixas são projetadas para receber todos os equipamentos de perfuração, estocagem de materiais, alojamento de funcionários, assim como todas as instalações necessárias para a produção dos poços, não havendo capacidade de estocagem de petróleo ou gás extraídos, sendo necessário enviá-los para o continente através de oleodutos e gasodutos.
  • Sistemas flutuantes de produção (FPS – Floating Production Systems): são navios, em geral de grande porte, com capacidade para produzir, processar armazenar petróleo e gás natural, estando ancorados em um local definido.

Os principais tipos de FPS são: FPO (Floating Production and Offloadingou Unidades Flutuantes de Produção e Descarga); FPSO (Floating Production, Storage and Offloading ou Unidades Flutuantes de Produção, Armazenamento e Descarga); FSU (Floating Storage Unit ou Unidades Flutuantes de Armazenamento).

O que é o descomissionamento e quais os procedimentos de segurança para a realização deles?

O descomissionamento é o processo de desativação de plantas de produção que não fabricam o suficiente, bem como remoção ou troca de uma linha de produção. Antes de realizar o descomissionamento, é importante elaborar um plano ambiental para que não sejam deixados resíduos perigosos para trás ao fim do processo.

A fase de abandono ocorre quando a extração de petróleo é afetada, seja por condições técnicas que impeçam o processo de extração, seja pelo próprio esgotamento dos recursos ou por questões econômicas, quando os custos de produção são maiores que os rendimentos.

A indústria petrolífera é uma das mais importantes do mundo, já que a demanda e a dependência do petróleo é praticamente universal, seja para gerar energia ou promover a locomoção de pessoas e materiais ao redor do planeta.Mas quando um Ativo Offshore não produz mais o suficiente, é necessário passar pelo processo de descomissionamento.

E no Offshore, como funciona o descomissionamento?

O Brasil possui muitos ativos Offshore em funcionamento, responsáveis pela maior parte da produção de petróleo e gás. Cada ativo, após certo tempo, atinge a fase final de produção, que é chamada de descomissionamento. Isto ocorre quando a produção se torna desvantajosa, sendo encerradas as atividades, feita a limpeza, remoção das estruturas e recuperação ambiental da área.

Até a publicação da NR-37, norma voltada exclusivamente para o Offshore, o Brasil não possuía legislações ambientais específicas sobre descomissionamento, o que era algo considerado grave, já que esta etapa pode produzir impactos negativos à vida marinha, por conta de possíveis vazamentos de óleos e rejeitos tóxicos.

No tópico 6 da NR-37, é dito que as atividades de comissionamento, ampliação, modificação, manutenção e reparo naval, descomissionamento e desmonte de plataformas Offshore aplicam-se, além do que está estabelecido na norma, os requisitos da NR-34 (Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval) que forem relevantes para este tópico, independentemente do local, tipo e extensão do serviço a ser realizado a bordo.

Quais são os riscos de não realizar o descomissionamento de ativos Offshore?

A extração de petróleo em ativos offshore acaba gerando acúmulo de materiais radioativos do tipo TENORM. É importante destacar que há negligência com a Radioproteção nos ativos Offshore, o que pode gerar riscos envolvendo a radiação ionizante, mesmo antes de ser necessário o descomissionamento.

A NR-37 possui uma parte totalmente voltada para as Radiações Ionizantes em plataformas de petróleo!

A norma diz que, durante todo o ciclo de vida da plataforma, a operadora deve adotar medidas para proteger os trabalhadores contra os efeitos nocivos da radiação ionizante provenientes de operações industriais com fontes radioativas e de materiais radioativos de ocorrência natural (NORM/TENORM) gerados durante a exploração, produção, armazenamento na plataforma.

O NORM, por ser um material encontrado de forma dispersa na natureza, não apresenta grandes perigos. Trata-se de um tipo de material radioativo com uma quantidade pequena de radionuclídeos. É uma fonte de radiação que tem níveis abaixo ou equivalentes ao limite de exposição que um indivíduo comum pode suportar.

O TENORM é o material radioativo que você pode encontrar aí na indústria em que você trabalha! Ocorre quando o NORM é tecnicamente modificado. Ou seja, durante os processos da plataforma, ele já é TENORM!

A NR-37 ainda diz que a operadora da plataforma deve assegurar que as empresas contratadas que manuseiam ou utilizam equipamentos com fontes radioativas estejam licenciadas pela CNEN.

A indústria petrolífera é uma das mais importantes do mundo, já que a demanda e a dependência do petróleo é praticamente universal, seja para gerar energia ou promover a locomoção de pessoas e materiais ao redor do planeta.Mas quando um Ativo Offshore não produz mais o suficiente, é necessário passar pelo processo de descomissionamento.

Por isso, a melhor forma de evitar os efeitos da radiação ionizante no ambiente de trabalho é através de um Serviço de Radioproteção bem preparado.

Se sua equipe tem IOEs (Indivíduos Ocupacionalmente Expostos), é necessário estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente para que todos os profissionais expostos à radiação tenham a proteção adequada de acordo com as normas da CNEN.

Também é possível contratar empresas especializadas em Radioproteção para cuidar da proteção radiológica da sua empresa ou da empresa que você trabalha.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

Cadastre-se na nossa newsletter e seja um especialista no assunto.

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país
  • NR-37