Briefing de Embarque em Plataformas Offshore – Saiba Como Funciona

A NR-37 em vigor desde dezembro de 2018 e temos uma grande movimentação no mercado Offshore acontecendo. Com esta norma, temos uma regulamentação ainda mais específica quando falamos do embarque de trabalhadores em plataformas. Continue lendo e saiba o que ela define.

O que é a NR-37?

A NR-37 estabelece os requisitos mínimos de segurança, saúde e condições de convívio em plataformas Offshores que estão em operação em águas nacionais.

É importante ressaltar que, mesmo com a publicação da NR-37, as empresas ainda precisam cumprir todas as outras leis relacionadas à segurança e saúde no trabalho, e também aquelas vindas de contratos de trabalho e outros, de acordo com a CLT.

A NR-37 em vigor desde dezembro de 2018 e temos uma grande movimentação no mercado Offshore acontecendo. Com esta norma, temos uma regulamentação ainda mais específica quando falamos do embarque de trabalhadores em plataformas. Continue lendo e saiba o que ela define.

E, de acordo com a NR-37, qual é o briefing de embarque para trabalhadores de plataformas Offshore?

O operador do ativo Offshore deve implementar um programa de capacitação em segurança e saúde no trabalho em plataformas, compreendendo as seguintes modalidades:

  • Orientações gerais por ocasião de cada embarque (briefing de segurança da plataforma);
  • Treinamento antes do primeiro embarque;
  • Treinamento eventual;
  • Treinamento básico;
  • Treinamento avançado;
  • Reciclagens dos treinamentos;
  • Diálogo Diário de Segurança (DDS).

Inclusive já falamos do treinamento dos trabalhadores nesse post!

É a operadora da plataforma que é responsável por passar o briefing de segurança da plataforma, no momento de cada embarque. O conteúdo mínimo que deve constar é:

  • A descrição sucinta das características da plataforma e o seu estado (operacional, parada, comissionamento, operações críticas e simultâneas, etc.);
  • Os tipos de alarme disponíveis a bordo, destacando os de emergência;
  • Os procedimentos de agrupamento (pontos de encontro) e de evacuação em caso de emergência;
  • As rotas de fuga;
  • As localizações dos recursos de salvatagem (coletes, boias, baleeiras, balsas, botes de resgate, dentre outros);
  • A identificação das lideranças de bordo;
  • As regras de convívio a bordo, especialmente no diz respeito ao silêncio nas áreas das acomodações;
  • Cuidados básicos de higiene e saúde pessoal.

A operadora da instalação deve atualizar o briefing quando houver mudança no Plano de Resposta de Emergências (PRE).

A NR-37 estabelece os requisitos mínimos de segurança, saúde e condições de convívio em plataformas Offshores que estão em operação em águas nacionais.

Além do briefing ditado pela norma, ainda existem outras orientações para o trabalhador e que são essenciais para que acidentes sejam evitados.

Com o passar do tempo, a tendência é que certas práticas sejam esquecidas de serem adotadas, portanto, muita atenção!

Essas medidas existem por uma razão de segurança e por isso são essenciais para a rotina nas plataformas. E são elas:

  • Não corra ao subir ou descer as escadas;
  • Lembre-se de usar o corrimão das escadas e transitar sempre pelo lado direito;
  • Antes de manusear ou transportar qualquer produto químico, consulte primeiro a FISPQ (Ficha de informações de Segurança de Produtos Químicos);
  • Fique atento à movimentação de cargas;
  • Nunca se exponha a uma carga suspensa e obedeça sempre a sinalização de isolamento de área;
  • Nas salas de lazer e também no refeitório, sempre esteja vestido com roupas limpas;
  • Sempre que soar o alarme, as equipes de emergência entram em ação para controlar a ocorrência;
  • Caso a situação se agravar, quem não for essencial ao controle de emergência será retirado da unidade pelo meio mais rápido e mais seguro;
  • Se você notar qualquer coisa que possa comprometer a segurança e a saúde das pessoas ou meio ambiente não deixe de alertar avisar imediatamente o gerente de planta;
  • Não fume, mas se for fumar, faça isto apenas nos locais permitidos;
  • Nunca se esqueça de apagar bem os cigarros antes de sair das áreas reservadas para fumantes.

Além disso, os trabalhadores do offshore são orientados por treinamentos e procedimentos de emergência que devem estar em constante atualização.

Se você trabalha em plataformas de petróleo, recorrentemente revise os protocolos em caso de:

  • Colisão;
  • Incêndio;
  • Naufrágio;
  • Adernamento;
  • Água aberta;
  • Derramamento de óleo;
  • Vazamento de gás;
  • Homem ao mar;
  • Superfície livre;
  • Queda de aeronave.

Procedimentos de emergência são necessários para atendimento a casos de acidentes ou qualquer outra situação inesperada que atente contra a vida dos tripulantes, passageiros ou da própria embarcação!

Geralmente, um acidente ou emergência pode ser resolvido rapidamente se as medidas adequadas forem executadas nos primeiros instantes.

É sempre importante lembrar que as leis estão aí para serem seguidas à risca. Assim, você evita que acidentes possam ocorrer, o que acarretaria em prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente.

É importante saber que radiações ionizantes podem estar presentes na plataforma Offshore em que você trabalha e a NR-37 também regulamenta as ações a serem tomadas.

Se você é ou a sua equipe possui um IOE (Indivíduo Ocupacionalmente Exposto), estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente é mandatório!

Também é possível contratar empresas especializadas para cuidar da sua proteção radiológica se, por algum motivo, for gerada muita dor de cabeça ao implementar um Serviço de Radioproteção por conta própria.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

E não se esqueça de se cadastrar na nossa newsletter e seja um especialista no assunto!

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país
  • NR-37