LinceRadio se torna pioneira no Brasil na destinação final de rejeitos

Se você trabalha no Offshore, já deve ter tido problemas com o descarte e armazenamento de rejeitos radioativos NORM/TENORM, não é mesmo? Pois estes problemas acabam agora!

Continue lendo e saiba a grande novidade que a LinceRadio traz para o mercado Offshore!

O que são rejeitos radioativos e como era feito o seu gerenciamento até hoje?

Os rejeitos radioativos são materiais gerados após o processo de limpeza e descontaminação em plataformas de extração de óleo e gás no Offshore. Estes rejeitos são materiais que apresentam alto risco de contaminação, e caso o nível de exposição esteja acima dos limites, estarão impedidos de serem armazenados e mantidos em locais não apropriados.

Os rejeitos radioativos precisam ser separados de acordo com as formas físicas (sólido, líquido e gasoso), e acondicionados em recipientes apropriados, como tambores metálicos, bombonas plásticas ou outro tipo de contentor apropriado.

Até o momento atual, por falta de local para armazenar estes rejeitos radioativos, os recipientes em que eles ficam acondicionados precisavam ficar embarcados até terem destinação certa, já que não existia, no país, um depósito de rejeitos radioativos de origem natural.

Porém, agora tudo mudou!

Com a publicação da NR-37 em dezembro de 2018 e seu deadline chegando em dezembro de 2019, a LinceRadio estava correndo atrás com a CNEN para que o nosso grande projeto ficasse pronto e disponível ainda em 2019.

Que tipo de solução é esta?

Desde a década de 60, quando a exploração de petróleo começou no nosso país, não existia um depósito voltado para os rejeitos gerados neste processo, conhecido como NORM/TENORM. 

A LinceRadio vem trabalhando com afinco há três anos em um projeto que consiste em ser o primeiro depósito de rejeitos radioativos de origem natural no Brasil, uma vez que o único depósito de rejeitos existente é voltado exclusivamente para os materiais gerados no acidente de Goiânia.

Ficamos muito felizes em anunciar que finalmente o projeto saiu do papel. A aprovação da CNEN foi concedida e agora temos a autorização para darmos destinação final aos rejeitos NORM/TENORM.

Este pode ser considerado um marco histórico, se levarmos em conta que em todas estas décadas de exploração, nunca antes algo desta magnitude foi feito!

Agora, as empresas não têm mais desculpas para não se adequarem às exigências das normas vigentes, principalmente a NR-37, uma vez que o descarte dos rejeitos radioativos finalmente possui um destino final e não fica mais armazenado na planta de produção, diminuindo o risco de acidentes e exposição dos trabalhadores.

O que a NR-37 estabelece?

A NR-37 estabelece os requisitos mínimos de segurança, saúde e condições de convívio em plataformas Offshore que estão em operação em águas nacionais. Esta norma pode ser considerada um marco, um divisor de águas. O material NORM/TENORM sempre esteve presente durante todo o processo de exploração de óleo e gás.

O NORM está presente até em nosso dia a dia e não apresenta riscos. Só se torna algo a ser monitorado quando se transforma em TENORM. Isso é algo que ocorre desde o início da exploração e produção de óleo e gás, só que não existia qualquer legislação específica para lidar com este tipo de material.

Com a NR-37, tudo passa a ser regularizado, e quem não estiver de acordo com a norma até o fim do ano, entrará em Não Conformidade a partir de 2020. Todas as empresas do segmento Offshore passam a ser obrigadas a pelo menos uma vez por ano, realizarem a monitoração para saber se existe ou não a presença desse material nas plantas de produção. 

A NR-37 contém diversas outras novas exigências que tratam da Radioproteção no Offshore, e a LinceRadio já está preparada para dar conta de atender o aumento das demandas de atividades na área, desde a limpeza e descontaminação de Ativos Offshore, até o fornecimento de um depósito que servirá como destino final dos rejeitos radioativos NORM/TENORM gerados durante diversos processos!

Recentemente, saiu uma entrevista que demos para o portal Petronotícias, onde falamos sobre como a NR-37 beneficiou (e muito) a área do Offshore, além de contar mais sobre este grande marco que a LinceRadio atingiu em 2019, após muito esforço e dedicação, e você pode ler clicando aqui.

Caso tenha se interessado pelos serviços oferecidos pela Lince, pode entrar em contato no nosso site!

Não deixe de assinar a nossa Newsletter para receber mais conteúdo voltado para a Radioproteção e o Offshore!