O acúmulo de NORM/TENORM em meu ativo Offshore pode interditar minha operação?

Hoje em dia, assuntos relacionados à materiais radioativos TENORM estão sendo amplamente debatidos, principalmente após a publicação da NR-37 no fim de 2018. 

Se a plataforma em que você trabalha possuir alguma não conformidade, seja em relação a esses materiais ou a outros pontos, como segurança, por exemplo, ela pode sofrer uma interdição. E você não quer isso, certo?

Continue lendo o post e saiba como o acúmulo de material NORM/TENORM em um ativo Offshore pode afetar toda a produção!

Negligenciar a Radioproteção pode gerar uma interdição

Os perigos radiológicos costumam ser negligenciados na indústria Offshore, principalmente por empresas que resolvem cuidar da própria Radioproteção. O que é extremamente perigoso.

Práticas rígidas de segurança do trabalho devem ser adotadas em todas as áreas onde houver presença de NORM/TENORM. O objetivo é assegurar que nenhum IOE receba dose de radiação ionizante excessiva ao limite admissível para qualquer pessoa do público em geral.

Portanto, priorizar a Radioproteção no cotidiano da indústria Offshore é indispensável. Além de ser possível que um ativo Offshore seja interditado por conta da presença de material NORM/TENORM na planta. E você não quer isso, não é? Os custos gerados por uma plataforma parada, por dia, são estratosféricos!

Quais os riscos do acúmulo de material NORM/TENORM em um ativo Offshore?

Com o passar do tempo, o material NORM/TENORM se acumula nas linhas, válvulas, filtros, vasos e tanques da planta de produção. Este material tem potencial para criar campos de radiação cujos valores de dose ultrapassam os limites seguros estabelecidos pela CNEN para IOEs (20mSv/ano ou, 10,0 µSv/h) e, principalmente, para o público em geral (1mSv/ano ou, 0,5µSv/h).

Isso pode trazer sérios danos à saúde, além de ser ilegal!

O que deve ser feito nos procedimentos de rotina de Radioproteção?

Existem serviços de rotina de Radioproteção que devem ser feitos, periodicamente, para evitar que danos mais sérios ocorram, tais como:

  • Monitorar a planta, no mínimo, semestralmente;
  • Isolar e sinalizar as áreas controladas;
  • Fornecer controle de dose ocupacional para os envolvidos.

Caso a quantidade de material NORM/TENORM presente na planta extrapole os limites de exposição, será necessário realizar intervenções para dar um destino a estes materiais.

Como proceder em intervenções?

  • Realizar os passos da rotina, monitorando, isolando e sinalizando a área, além de fornecer a dosimetria;
  • Anotar dados dos envolvidos para controle;
  • Forrar a área com lona plástica;
  • Montar o ponto de controle e monitoração de pessoal;
  • Providenciar contentores para EPIs contaminados;
  • Providenciar tambores para armazenamento dos rejeitos;
  • Providenciar caixas metálicas e/ou contêineres para peças maiores;
  • Providenciar marcadores permanentes para anotação das peças e pontos contaminados para corte;
  • Providenciar material para tamponamento dos segmentos de linhas e válvulas;
  • Iniciar a purga das linhas e vasos, tendo cuidado para nenhum material extravasar. É importante preencher apenas ⅔ do tambor;
  • Monitorar e rotular os tambores contendo borra oleosa;
  • Garantir que nenhum trabalhador se contamine e, caso isso ocorra, proceder com sua descontaminação da forma correta!
  • Refazer a monitoração no interior dos vasos e tanques, para garantir que toda contaminação tenha sido removida;
  • Monitorar e marcar para o corte as peças e trechos de linhas contaminadas;
  • Remover manualmente estas incrustações e, acondicioná-las em tambores;
  • Cuidar de toda a papelada que precisa ser arquivada e mantida para rastreabilidade;
  • Acompanhar toda a destinação dos rejeitos gerados;
  • Por último, mas não menos importante, ter quem se comprometa legalmente por tudo isso, assumindo a responsabilidade perante os órgãos reguladores e demais envolvidos!

Se estes passos não forem seguidos da forma correta, pode gerar problemas para a plataforma e equipe responsáveis, como multas, danos patrimoniais e à imagem da empresa, processos trabalhistas e, também, a intervenção do ativo Offshore e de toda a operação. Você precisará responder à CNEN, ao Ministério do Trabalho e Emprego, ao IBAMA e a Receita federal sobre as não conformidades geradas.

De que forma é possível identificar uma não conformidade em ativos Offshore?

Existem empresas especializadas que dispõem de serviços de inspeção em ativos Offshore para que essas não conformidades sejam identificadas e eliminadas. Essas empresas emitem um laudo com tudo o que não está de acordo com as normas e leis e também com sugestões de como resolver esta situação. O contratante pode optar por aceitar ou não as orientações. 

Este tipo de serviço funciona como uma pré inspeção, para que o contratante possa assegurar que está livre de não conformidades em seu ativo Offshore quando os órgãos responsáveis forem realizar a inspeção. Assim, o contratante evita multas e interdições do ativo Offshore.

Entretanto, é essencial que você tenha a certeza de estar contratando uma equipe de profissionais competentes, qualificados e o mais importante: certificados pelo órgão regulador, a CNEN, para realizar essa análise. O gasto com este tipo de serviço agora será bem menor do que os prejuízos futuros!

As leis estão aí para serem seguidas à risca. Assim, você evita que acidentes possam ocorrer, o que acarretaria em prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente.

É importante saber que a radiação – e em especial a radiação ionizante – causa diversos efeitos biológicos às pessoas expostas a ela, dependendo da dose de exposição.

Se você quer evitar todos os efeitos da radiação ionizante no ambiente de trabalho, precisa de um Serviço de Radioproteção bem preparado. E se você é ou a sua equipe possui um IOE (Indivíduo Ocupacionalmente Exposto), estabelecer um Plano de Radioproteção detalhado e eficiente é mandatório!

Quando você trabalha em uma indústria que utiliza fontes radioativas em seus processos, é necessário que todos os profissionais expostos à radiação tenham a proteção adequada, de acordo com as normas da CNEN.

Também é possível contratar empresas especializadas para cuidar da sua proteção radiológica se, por algum motivo, for gerada muita dor de cabeça ao implementar um Serviço de Radioproteção por conta própria.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um material completo com tudo o que você precisa saber sobre Radioproteção.

E não esqueça de se cadastrar na nossa newsletter. Seja um especialista no assunto!

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país