Offshore – Os Perigos da Água de Produção

A poluição hídrica consiste em uma alteração indesejável nas características da água, possibilitando, direta ou indiretamente, danos à saúde, à sobrevivência ou às atividades humanas e de outras espécies, além de deteriorar materiais. E, a água de produção é um tipo de poluição hídrica.

A poluição dos recursos hídricos traz graves consequências para os seres humanos e para todos os outros seres vivos que dependem deles para sobreviver.

Uma notícia que repercutiu bastante nos grupos de profissionais de Segurança do Trabalho, foi: a Petrobras pagará R$ 100 milhões por dados falsos sobre contaminação de recursos hídricos. A empresa foi acusada pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e pela Polícia Federal. A denúncia consiste no fornecimento de dados falsos em relação às análises de contaminação com óleo e graxa da água despejada no mar.

Por isso, é de suma importância que a água de produção esteja em conformidade com os padrões de concentração de poluentes estabelecidos pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). 

O que é água de produção?

A água de produção, também conhecida como água de processo ou água produzida, é o efluente gerado no meio de produção de petróleo e gás natural descartado no mar. 

Essa água é encontrada tanto na indústria Offshore, como na Onshore, mas é importante levar em consideração que cerca de 80% do petróleo nacional é produzido através de plataformas Offshore localizadas ao longo da costa brasileira. 

A água de produção é um conjunto formado por:

  • água de formação;
  • água de condensação;
  • água de dessalinização.

A água de formação corresponde à maior parte da água de produção. Ela é a água do mar ou água doce que, há milhões de anos, foi represada em reservas geológicas formadas por rochas porosas sedimentares, entre camadas impermeáveis, no interior da crosta terrestre. 

A água de condensação é a água injetada nos processos de recuperação secundária, com a função de resfriamento.

Já a água de dessalinização é a água utilizada para dessalinização do petróleo produzido.

Logo, podemos considerar a água de produção como um subproduto da produção de petróleo, já que ela é gerada durante o processo de separação de óleo e gás.

Portanto, os 3 principais poluentes encontrados na água de produção são:

O que fazer com a água de produção?

As empresas operadoras de plataformas devem realizar o monitoramento anual da água produzida a ser descartada no mar.

O objetivo é identificar a presença e concentração dos seguintes parâmetros:

  • Compostos inorgânicos: As, Ba, Cd, Cr, Cu, Fe, Hg, Mn, Ni, Pb, V, Zn;
  • Radioisótopos: Ra-226 e Ra-228;
  • Compostos orgânicos: Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos – HPA, Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e Xilenos – BTEX, Fenóis e avaliação de Hidrocarbonetos Totais de Petróleo – HTP;
  • Toxicidade crônica da água produzida determinada através de método ecotoxicológico padronizado com organismos marinhos;
  • Parâmetros complementares: Carbono Orgânico Total – COT, pH, Salinidade, Temperatura e Nitrogênio Amoniacal Total.

O tratamento da água produzida também é algo fundamental para a Segurança do Trabalho em uma plataforma.

Uma das finalidades do tratamento da AP é a remoção de óleo, que pode estar presente na água sob as formas livre, em emulsão e dissolvido.

Dentre os métodos de tratamento mais utilizados, pode-se citar hidrociclones, osmose reversa, adsorção em carvão ativado, argila orgânica, copolímeros, zeólitos e resinas, flotação, coagulação, precipitação química, oxidação química, processo eletroquímico, tratamento fotocatalítico, processo fenton, tratamento com ozônio, desemulsificantes, tratamento biológico e tratamento com membranas.

O volume de água produzida gerada na atividade de produção de petróleo varia de acordo com as características e idade do campo. Os reservatórios mais maduros são aqueles que mais geram quantitativos de efluentes.

Em alguns casos, os volumes de água de produção gerados podem chegar a ser os maiores, dentre todos os resíduos gerados pela indústria petrolífera. 

Cuidar do meio ambiente é papel da Segurança do Trabalho

A Política Nacional do Meio Ambiente, regulamentada através da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabelece o conceito de meio ambiente.

Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas.

Trata-se de um conceito mais amplo do que a definição de meio ambiente de trabalho que os profissionais usam no cotidiano.

Hoje, a responsabilidade ambiental é um aspecto importantíssimo para qualquer empresa. Por isso, destacamos o ambiente offshore e as consequências do descarte negligente da água de processo.

As alterações na composição da água são provocadas, principalmente, por lançamentos de efluentes industriais, acidentes marítimos envolvendo o petróleo, esgotos domésticos e industriais, uso de fertilizantes agrícolas nas plantações, lançamento de compostos inorgânicos como o mercúrio na atividade de garimpo em busca do ouro, lançamento de outros materiais orgânicos sintéticos como plásticos, detergentes, solventes, tintas, inseticidas etc.

A água é um elemento de grande importância para o planeta. Todos sabemos que se trata de um recurso natural indispensável à vida.

Por isso, destacamos o cuidado com a água como um dos principais desafios para a Segurança do Trabalho.

Água de produção: o que a produção de petróleo causa ao meio ambiente

Retomando o enfoque na poluição ocasionada pela AP no offshore, vemos que a exploração do petróleo também é uma atividade essencial para a sociedade moderna.

Contudo, a saúde e o bem estar humano, bem como o equilíbrio ecológico aquático, não devem ser afetados pela deterioração da qualidade das águas.

O aumento da demanda mundial de petróleo tem causado bastante dano ao meio ambiente, e a água de produção é uma das principais causas da poluição hídrica.

Devido ao aumento crescente do volume de água produzida durante a vida produtiva de um poço de petróleo, o impacto ambiental pode ser gravíssimo.

Quanto mais um poço é explorado, menos na produção de óleo e/ou gás se tem. A consequência disso é o aumento da água de processo gerada.

Gerenciar a água de processo de uma indústria offshore ou onshore é um grande desafio para o setor de Segurança do Trabalho. As opções que geralmente são usadas para o seu destino são o descarte, a injeção e o reuso.

Porém, em todos os casos é necessário tratamento da água produzida. 

O objetivo é claro: evitar danos ao meio ambiente, aos trabalhadores e às instalações de produção.

Portanto, a água produzida somente poderá ser lançada direta ou indiretamente no mar quando estiver de acordo com as condições, padrões e exigências do Conama.

Conclusão

A poluição dos recursos hídricos traz graves consequências para os seres humanos e para todos os outros seres vivos que dependem deles para sobreviver. E, a água de produção é um tipo de poluição hídrica.

Por isso, é importante que ela esteja em conformidade com os padrões de concentração de poluentes estabelecidos pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). 

E, para estar à frente das orientações e lidar com os desafios enfrentados, o setor de Segurança do Trabalho é responsável por fazer o gerenciamento da água de processo de uma indústria offshore ou onshore.

Quer saber mais sobre essa e outras informações do setor? Cadastre-se na nossa newsletter e seja um especialista no assunto.

FONTES: