Plano de Resposta a Emergências (PRE) no Offshore

Se você trabalha embarcado, já ouviu falar do Plano de Resposta a Emergências em plataformas Offshore (PRE)? Caso não tenha ou queira saber mais, continue lendo o post!

O que é o Plano de Resposta a Emergências (PRE)?

Também conhecido como Plano de Atendimento a Emergência (PAE), o PRE é um documento que contém todos os procedimentos a serem tomados caso ocorram situações de risco iminente para a segurança dos trabalhadores.

E como o PRE é aplicado em plataformas Offshore?


De acordo com a NR-37, os responsáveis pela plataforma Offshore devem – a partir dos cenários das análises de riscos, elaborar, implementar e disponibilizar, a bordo, o PRE.

Além disso, é preciso capacitar os trabalhadores que tiverem suas atribuições alteradas pela revisão do PRE, de acordo com o item 37.8 da norma. Isso também precisa ser feito pelos responsáveis pela plataforma.

Se você trabalha embarcado, já ouviu falar do Plano de Resposta a Emergências em plataformas Offshore (PRE)? Caso não tenha ou queira saber mais, continue lendo o post!

Ainda de acordo com a NR-37, o PRE deve ser elaborado, considerando as características e a complexidade da plataforma e contemplar, no mínimo, os seguintes tópicos:

  • Identificação da plataforma e do responsável legal, designado pela operadora da instalação;
  • Função do(s) responsável(eis) técnico(s), legalmente habilitado(s), pela sua elaboração e revisão;
  • Função do responsável pelo gerenciamento, coordenação e implementação;
  • Funções com os respectivos quantitativos;
  • Estabelecimento dos cenários de emergências definidos com base nas análises de riscos e legislação vigente, capazes de conduzir a plataforma a um estado de emergência;
  • Procedimentos de resposta à emergência para cada cenário contemplado, incluindo resposta a emergências médicas e demais cenários acidentais de helicópteros previstos na NORMAM 27;
  • Descrição de equipamentos e materiais necessários para resposta a cada cenário contemplado;
  • Descrição dos meios de comunicação;
  • Sistemas de detecção de fogo e gás;
  • Sistemas de parada de emergência;
  • Equipamentos e sistemas de combate a incêndio;
  • Procedimentos para orientação de não residentes, quanto aos riscos existentes e como proceder em situações de emergência;
  • Procedimento para acionamento de recursos e estruturas de resposta complementares e das autoridades públicas;
  • Procedimentos para comunicação do acidente;
  • Cronograma, metodologia, registros e critérios para avaliação dos resultados dos exercícios simulados;
  • EPIs para combater incêndios; adentrar em locais tomados pelo fogo e outros, de acordo com os riscos descritos no quinto tópico acima.

Os responsáveis pela plataforma devem, ainda, manter atualizada a tabela de postos de emergência, contendo a relação nominal de todos os trabalhadores integrantes da equipe que compõem o PRE a bordo.

Também é preciso disponibilizar meios de resgate de emergência durante todo o período de pouso e decolagem de aeronaves na plataforma, conforme prescrito na NORMAM.

Quando houver simulações de exercícios, os trabalhadores designados devem estar envolvidos. E essas simulações devem contemplar os cenários e a periodicidade definidos no PRE.

Após a realização dos exercícios simulados ou na ocorrência de acidentes a bordo, é preciso que ocorra a avaliação do atendimento do PRE, para que, assim, seja possível verificar a sua eficácia, detectar possíveis desvios e proceder aos ajustes, caso sejam necessários.

Se você trabalha embarcado, já ouviu falar do Plano de Resposta a Emergências em plataformas Offshore (PRE)? Caso não tenha ou queira saber mais, continue lendo o post!

Qual é a composição das equipes de respostas às emergências no Offshore?

As equipes de respostas às emergências devem:

  • Considerar todos os turnos de trabalho por, no mínimo, 20% do POB (People On Board) a bordo no momento de serem compostas;
  • Ser submetidas a treinamentos e exames médicos específicos para a função que irão desempenhar, incluindo os fatores de riscos psicossociais, consignando a sua aptidão no respectivo ASO;
  • Possuir conhecimento das instalações;
  • Ser treinada de acordo com a função que cada um dos seus membros irá executar, observando o prescrito no item 37.8 da NR-37.

É claro que, por se tratar de uma norma extensa, é fundamental que você a leia com mais detalhes, em caso de dúvidas!

A gente sabe que ter o Ambiente de Trabalho preparado para possíveis ocorrências, garante que acidentes de trabalho sejam evitados ou, caso ocorram, os responsáveis saibam como lidar!

É claro que toda norma não funciona sozinha, por isso, existe um conjunto delas para garantir a sua segurança, e você pode conferir as 5 normas principais aqui!

A Medicina do Trabalho é outra aliada importante para garantir que você esteja em um ambiente seguro.

A Segurança do Trabalho é fundamental para que não haja riscos no seu meio ambiente de trabalho!

Técnicos e Engenheiros de Segurança do Trabalho devem garantir que todas as Normas Regulamentadoras estejam funcionando para que não ocorram prejuízos, tanto psicológicos quanto materiais, aos trabalhadores.

Para virar especialista no assunto, não deixe de assinar a nossa newsletter!

FONTES:

  • Mais de 10 anos de experiência em Segurança do Trabalho junto às maiores indústrias do Brasil
  • Mais de 3 mil horas executando serviços de Radioproteção
  • Mais de 200 clientes atendidos em todo país
  • NR-37