Quais são os principais riscos no Offshore e como evitá-los?

Engenheiros, técnicos de segurança do trabalho, médicos, enfermeiros, mecânicos, supervisores e outros que trabalham embarcados no Offshore correm diversos riscos diariamente, como acidentes com equipamentos. Faz parte da profissão, com o agravante de estar em alto mar.

Mas, existem alguns riscos um pouco mais pontuais, dos quais é preciso ter bastante atenção. É o caso da radiação e seus efeitos, já que o material está presente nas plataformas, justamente por fazer parte do processo de extração de petróleo. 

É inevitável! Por isso que é preciso entender do que se trata, já que há formas de resolver e diminuir o risco de exposição de trabalhadores. 

Continue lendo o post e descubra quais são os grandes perigos no Offshore.

Principais perigos de exposição à radiação em plataformas Offshore

  • Fontes radioativas em instrumentos de origem estrangeira
  • Embarque temporário de fontes
  • Material NORM/TENORM

Riscos de fontes radioativas em instrumentos de origem estrangeira

A produção de petróleo requer uma série de equipamentos, usados tanto para a extração, quanto para a medição exigida em cada uma das etapas do processo. Devido à complexidade destes processos, alguns medidores nucleares precisam ser utilizados, pois a confiabilidade e precisão dessas fontes são incontestáveis.

A tecnologia nuclear de medição usa fontes radioativas para garantir precisão extrema nos resultados, mas é necessário manter um cuidado especial para tudo que envolver esse tipo de equipamento. 

Além disso, boa parte desses instrumentos são importados e seguem os padrões internacionais de segurança. Não estamos dizendo que estes padrões sejam inferiores aos nossos, mas sim que é preciso manter um alinhamento, já que cada país possui suas próprias leis.

Desta forma, para assegurar que estes equipamentos não coloquem a vida das pessoas embarcadas em risco, é extremamente necessário adquirir a Licença Nacional de Utilização assim que entrar em águas brasileiras, o que engloba plataformas Offshore em alto mar.

O órgão brasileiro responsável pelo licenciamento, regulação e fiscalização de tudo que envolve fontes radioativas é a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

Riscos do embarque temporário de fontes radioativas

Muitas operações realizadas em ativos Offshore são executadas por empresas terceirizadas e os prestadores de serviço contratados trazem para dentro das embarcações seus próprios equipamentos.

Uma das principais atividades que necessitam do embarque temporário de instrumentos com fonte radioativa é o serviço de gamagrafia. O material de trabalho deste profissional permanece embarcado por todo o período que a operação terceirizada necessitar. 

Esse tipo de equipamento é pesado e de difícil manuseio. Não são transportados por helicóptero, mas sim em barcos de apoio, dentro de contêineres, rumo ao ativo Offshore.

Sendo que, este transporte deve ser programado com antecedência, pois a o barco de apoio precisa atracar no navio, sonda ou plataforma e um guindaste irá suspender o equipamento contendo a fonte radioativa para dentro da embarcação.

É aí que os riscos do embarque temporário de equipamentos com fontes radioativas começam a aparecer!

Quando o guindaste está transportando o contêiner contendo o equipamento do barco de apoio para dentro da embarcação, pode ocorrer algum incidente que afete a integridade da fonte radioativa no interior do instrumento.

Para solucionar este problema ou evitar que ele ocorra, é essencial que a equipe da embarcação esteja devidamente treinada para agir diante de tal situação. 

Todos os profissionais embarcados devem ter noções básicas de radioproteção, em especial, os responsáveis pela Segurança do Trabalho (Engenheiros e Técnicos) e o departamento médico (Técnicos, Enfermeiros e Médicos).

É fundamental saber como proceder diante de incidentes envolvendo radiação, desde os cuidados em primeiros socorros, até as medidas de Radioproteção para delimitar áreas de irradiação e contaminação.

Somente com um treinamento prévio, as medidas de Radioproteção poderão ser adotadas e assim evitar completamente a contaminação e a exposição excessiva ao material radioativo no interior da embarcação.

Riscos de contaminação por NORM/TENORM em plataformas Offshore 

Os órgãos brasileiros responsáveis pela normatização e fiscalização de atividades que envolvem materiais radioativos já estão bastante atentos em relação à ocorrência desse material na indústria Offshore, principalmente após a publicação da NR-37, norma totalmente voltada para o setor.

Durante a fase de perfuração de poços de petróleo Offshore, o campo que está sendo explorado já conta com a presença de NORM. Conforme ocorre o processo de extração ou recuperação do petróleo do campo, o material, que está diluído no óleo e gás, “sobe” junto a outros através dos vasos, linhas e tubulações presentes na plataforma e se transforma em TENORM.

Quando o acúmulo de material radioativo passa dos limites anuais estabelecidos pela CNEN, é essencial realizar uma descontaminação, antes que a vida dos trabalhadores embarcados seja posta em risco. 

Além da exposição à radiação, a contaminação interna (inalação e/ou ingestão) é o maior risco no Offshore. Durante a limpeza do ativo Offshore, poderosos jatos são usados em incrustações, o que acarreta no lançamento de minúsculos fragmentos contendo material radioativo no ambiente de trabalho.

A contaminação interna por elementos radioativos é uma das mais perigosas, pois causa efeitos imediatos aos órgãos contaminados, podendo levar à morte, diferentemente do que acontece com a exposição à radiação. 

Ao estar exposto, o efeito é apenas potencializado, ocasionando consequências mais drásticas somente com a recorrência excessiva à exposição.

A maior incidência de material NORM/TENORM no Offshore ocorre durante as limpezas e manutenções de tanques de carga e vasos em FPSOs. É essencial monitorar este material e, no momento da limpeza, utilizar EPIs específicos.

Como garantir a segurança no Offshore?

Para garantir que tudo fique dentro das normas e nenhum trabalhador seja colocado em risco, é importante também realizar uma inspeção regulatória para eliminação de Não Conformidades. 

Esta inspeção é um serviço oferecido por empresas especializadas, em que a planta de produção é totalmente monitorada através e uma varredura, onde são avaliados todos os tópicos levantados pela CNEN, pelo MTE e pelo IBAMA, referentes à proteção radiológica.

Então, um laudo é emitido com todas as não conformidades presentes e são sugeridas as melhores formas de agir perante estas irregularidades. Como são sugestões, cabe à operadora da planta adotar as orientações da empresa prestadora de serviços ou não.

As leis estão aí para serem seguidas à risca. Assim, você evita que acidentes ocorram, o que acarretaria em prejuízos humanos, materiais e ao meio ambiente.

É importante saber que a radiação – e em especial a radiação ionizante – causa diversos efeitos biológicos às pessoas expostas a ela, dependendo da dose de exposição. Com um bom Serviço de Radioproteção, você pode garantir que todos fiquem seguros ao embarcar em um ativo Offshore.

Se, por algum motivo, for gerada muita dor de cabeça ao implementar um Serviço de Radioproteção por conta própria, você pode contratar empresas para te auxiliar ao longo do processo.

Para você que deseja ser um especialista no assunto, preparamos um guia completo e gratuito sobre Radioproteção. Clique e receba em seu e-mail.

guia de radioproteção

E não esqueça de se cadastrar na nossa newsletter. Seja um especialista no assunto!